sábado, 20 de agosto de 2016


BOA TARDE (I)
Dou continuidade à publicação nesta página das pequenas crônicas que estão sendo lidas no Jornal da Tarde (FM Rádio Padre Cícero, 104,9 de Juazeiro do Norte) nos dias de segundas, quartas e sextas feiras, sob o título Boa Tarde para Você.
237: (15.08.2016) Boa Tarde para Você, Edilberto Sobreira Rocha
No nosso reencontro recente, durante a celebração dos 91 anos de idade de sua tia, Irmã Maria Neli Sobreira da Silveira, por um lapso, esqueci-me de lhe falar de uma das minhas preocupações atuais, a propósito da aproximação do centenário de ordenação sacerdotal de Mons. Azarias. Como você tão bem sabe, Edilberto, tal é essa sua memória privilegiadíssima, Azarias Sobreira Lobo, filho de Carolina Sobreira e Pedro Lobo de Menezes, tornou-se presbítero em Cristo, num domingo, dia do Senhor, na Sé Catedral, em Crato, no exato dia 22 de abril de 1917. Em dias subsequentes a essa grande data, Pe. Azarias celebrou a primeira missa na Casa de Caridade de Crato, depois na Paróquia Matriz de Juazeiro, sua cidade natal, e em seguida na Paróquia de Nossa Senhora dos Milagres, na cidade de Milagres, onde aí residia sua mãe, já viúva. Portanto, meu estimado Edilberto, esse é o mote necessário para nos mobilizar pela celebração, não apenas de uma data emblemática, centenária, como estamos nos habituando a comemorar, mas para engrandecer e propagar a vida e a obra de um dos juazeirenses mais ilustrados de que temos notícia. Em 1994, a bordo de bem cuidada publicação de Raimundo Araújo, ao tempo em que festejávamos o centenário de Mons. Azarias, eu tive a oportunidade de ali inserir algumas linhas modestas, à guisa de depoimento, relevando a emoção que me permitia enaltecer suas grandes virtudes. De fato, Edilberto, para mim foi um imenso privilégio ter acompanhado recomendações de gratas amizades comuns, como Pe. Murilo de Sá Barreto, Amália Xavier de Oliveira e Maria Gonçalves da Rocha Leal, para conhecê-lo de perto, o que o tempo me agraciou com uma convivência entre 30 de maio de 1970 e 14 de julho de 1974, quando faleceu em Fortaleza, com pouco mais de 80 anos. Por esse tempo nos encontrávamos pelo menos uma vez por semana, e foi quando pude colaborar com um trabalho grandioso que realizou, promovendo no Seminário da Prainha um ano de estudos sobre o Padre Cícero, no exato ano do centenário de ordenação do Patriarca de Juazeiro. Como foi maravilhoso privar intimamente da sobriedade de sua existência, para sorver com ansiedade e grande curiosidade, expressões, gestos e sentimentos de alguém que, para mim, transitava entre a genialidade e a santidade heroica. Em duas oportunidades recentes, Edilberto, recebi de Ermengarda Sobreira a responsabilidade de preservar, organizar, disponibilizar e difundir, no que for oportuno, toda a correspondência de Pe. Azarias Sobreira, como recurso imprescindível para o relevo de sua memória. A esses primeiros gestos da família Sobreira veio se juntar a adorável simpatia da Dra. Ângela Maria Sobreira Gomes Tavares, sua sobrinha-neta, douta juíza de vara de família da capital, reforçando a responsabilidade que assumi por também me legar expressivo volume documental de sua avó, Micol Sobreira Gomes, a única irmã de Azarias. Tem sido para mim uma tarefa muito gratificante, eu – um modesto ajuntador de papeis velhos, um curioso de nossas raízes, mergulhador compulsivo no conhecimento de tão rica correspondência, de remetentes e destinatários tão ilustrados, entre povo, família, clero e intelectuais. Há poucos dias, Edilberto, tive uma imensa surpresa ao encontrar entre os pacotes que ia abrindo um pequeno envelope onde Pe. Azarias escreveu: “Cartas do Pe. Ibiapina para o meu pai”, para daí retirar nove cartas do missionário ao amigo, capitão Pedro Lobo de Menezes, entre 1863 e 1872. E é o que estou fazendo presentemente, pondo sobre este acervo recursos de digitalização, de transcrição paleográfica e de organização de arquivo para que este riquíssimo manancial não se perca na voragem do tempo, na vala do lixo intempestivo ou nas cinzas da fogueira da ignorância. O que vai surgir disso, a bem da verdade, ainda não sei, mas é provável que em tal riqueza e na pluralidade de suas atenções, vamos nos encaminhando para o tombamento e classificação de todas as peças, para daí produzir novas oportunidades de estudos e conhecimentos. Essa é uma preocupação nossa, desse tipo de gente que somos nós, memorialistas pretensiosos, talvez em desacordo com o sentimento de pessoas como foi Mons. Azarias, um servo de Deus desprovido de qualquer vaidade, a quem o tratamento de Monsenhor já era objeto de reparo. Dizia ele, Edilberto, tão paciente e tolerante às minhas reincidências: “- Meu filho, não me tire a graça de ser um simples padre.” 
(Crônica lida durante o Jornal da Tarde, da FM Padre Cícero, Juazeiro do Norte, em 15.08.2016)
O CINEMA ALTERNATIVO NO CARIRI

CINE SESC (CRATO)
O Teatro Adalberto Vamozi, SESC, Rua André Cartaxo, 443, Crato), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 22, segunda feira, às 19 horas, o filme O PLANETA DOS VAMPIROS (Planet of the vampires, Itália/Espanha, 1965, 88min). Direção de Mário Bava. Sinopse: Em um futuro não muito distante, uma missão de investigação de um misterioso planeta chamado Aura, lança duas naves no espaço, Argos e Galliot. Ao chegarem na superfície do planeta desconhecido, a tripulação começa a lutar uns contra os outros sem entenderem motivo. Os impulsos agressivos passam e eles decidem procurar pela nave Argos porém, quando a encontram, descobrem que toda a tripulação morreu lutando entre si. Eles descobrem que o estranho planeta é habitado por seres alienígenas sedentos por sangue, que desejam fugir do seu mundo.
CINE SESC (JUAZEIRO DO NORTE)
O Teatro Patativa do Assaré, SESC, Rua da Matriz, 227, Juazeiro do Norte), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 24, quarta feira, às 19 horas, o filme O PLANETA DOS VAMPIROS (Planet of the vampires, Itália/Espanha, 1965, 88min). Direção de Mário Bava. (VEJA NA PROGRAMAÇÃO ACIMA, PARA O CINE SESC, Crato)

CINE CAFÉ VOLANTE (MISSÃO VELHA)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, promove sessões semanais de cinema no seu Cine Café, na cidade de Missão Velha (Auditório do Centro Social Urbano, CSU), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 25, quinta feira, às 19 horas, o filme PERDIDOS NA NOITE (Midnight cowboy, EUA, 1969, 113min). Direção de John Schlesinger. Sinopse: Clássico de Hollywood. Ganhou os Oscars de melhor filme, melhor diretor, melhor roteiro e os dois atores principais concorreram ao Oscar de melhor ator: Dustin Hoffman (como sempre excelente!) está em perfeita sintonia com o também indicado ao Oscar, Jon Voight; os dois realizam uma das melhores parcerias da história do cinema. Atuações fortes, sinceras e marcantes! A personagem de Voight deixa a cidade pequena e vai tentar ganhar a vida numa cidade grande, como garoto de programa, ele foge/esconde um passado traumático e solitário. Ao encontrar a personagem de Hoffman, os dois ficam amigos e tentam ganhar a vida de forma cúmplice e unida, mas a sorte não está do lado deles, eles vivem em completa miséria. O final é triste, melancólico e comovente. O filme traz ao espectador reflexões sobre: diferenças entre a cidade pequena e a cidade grande; o sonho de ganhar dinheiro fácil; a prostituição masculina; a pobreza, miséria e a marginalidade; a solidão e a amizade.
CINE CAFÉ VOLANTE (BARBALHA)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, promove sessões semanais de cinema no seu Cine Café, na cidade de Barbalha (Auditório do Centro de Esportes e Artes Unificados Mestre Juca Mulato, Parque da Cidade, Parque da Cidade), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 26, sexta feira, às 19 horas, o filme A PRINCESA E O PLEBEU (Roman Holiday, EUA, 1953, 118min ). Direção de William Wyler. Sinopse: A Princesa e o Plebeu, é uma espécie de história de Cinderela às avessas. Uma princesa riquíssima tem uma crise nervosa por causa da agenda cheia de compromissos repetitivos e entediantes: o que ela quer é apenas viver como uma garota normal. Então durante a noite foge do seu palácio e acaba encontrando não um príncipe encantado, e sim um jornalista interesseiro, que a reconhece e quer conseguir uma reportagem exclusiva que lhe renderá uma enorme quantia de dinheiro.
CINE CAFÉ (CCBNB, JN)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, (Rua São Pedro, 337, Juazeiro do Norte), realizando sessões semanais de cinema no seu Cine Café, com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 27, sábado, às 17:30 horas, o filme O GRANDE HOTEL BUDAPESTE (The Grand Budapest Hotel, Alemanha/EUA/Reino Unido, 2014, 100min) Direção de Wes Anderson. Sinopse: No período entre as duas guerras mundiais, o famoso gerente de um hotel europeu conhece um jovem empregado e os dois tornam-se melhores amigos. Entre as aventuras vividas pelos dois, constam o roubo de um famoso quadro do Renascimento, a batalha pela grande fortuna de uma família e as transformações históricas durante a primeira metade do século XX.
CINE CAFÉ VOLANTE (VÁRZEA ALEGRE)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, (Rua São Pedro, 337, Juazeiro do Norte), realizando sessões programadas, com entrada gratuita na Associação Comunitária do Sítio Caiçara, Várzea Alegre, exibindo no próximo dia 27, sábado, às 18 horas, o filme KUNG FU VERDE (Brasil, 2014, 100min). Direção de Aquiles Thomaz. Sinopse: Vilarejo da Esperança. Uma reserva ecológica existente há três gerações onde uma organização denominada de IDM tenta se instalar com a finalidade de fazer desmatamento ilegal. Moram neste local uma mulher chamada Marize (Renata Silva) e sua filha Carol de 8 anos (Jéssica Oliveira e um irmão Ted Green (Rennêth Mille) perito em artes marciais que viaja pelo país ensinando que as pessoas devem proteger a natureza. Eles são herdeiros e protetores do lugar que garante a sustentabilidade de 20 famílias. E também existe um segredo secular que acaba despertando ainda mais a ganância dos invasores. Um filme que une Educação ambiental e muita ação.

sábado, 13 de agosto de 2016


BOA TARDE
Dou continuidade à publicação nesta página das pequenas crônicas que estão sendo lidas no Jornal da Tarde (FM Rádio Padre Cícero, 104,9 de Juazeiro do Norte) nos dias de segundas, quartas e sextas feiras, sob o título Boa Tarde para Você.
236: (10.08.2016) Boa Tarde para Você, Cildo Menezes
Ao saudá-lo nesta tarde, Cildo, começo por tomar emprestado de sua página no facebook a indignação do Papa Francisco quando nos advertia recentemente, numa de suas viagens: "A corrupção é suja e uma sociedade corrupta é uma porcaria. Aquele que permite a corrupção não é cristão! E também cheira mal. Um cristão não se deixa corromper.” Agradeço-lhe as suas observações a mim dirigidas em áudio porque elas me permitem considerar a matéria veiculada no programa do último domingo, com respeito ao rumoroso caso dos terrenos negociados entre Diocese e o empresário, para repor algo que não foi inserido ali. É voz corrente que a matéria foi quase insignificante, absolutamente insuficiente para esclarecer a opinião pública sobre o assunto, a ponto de que pelas redes sociais tenha surgido imediatamente um grande número de opiniões nesse sentido, mercê da péssima montagem dos depoimentos. A minha fala gravada pela equipe deve ter ocupado uns 30 minutos, contudo na edição não atingiu 1 minuto, se muito, para conter o equivoco, como se fosse meu pensamento, e a desinformação de que por legado do patriarca tenha ficado para santos que até muitos acham que nem teriam existido. A matéria se inicia quando cito a expressão de que Padre Cícero chegou ao Juazeiro missionário, tornou-se visionário e morreu milionário, referindo-me a uma voz de seus críticos, como o então bispo D. Newton Gurgel Holanda, o que aprovou o negócio, está vivo, mas perdeu a voz. Sobrou para mim a convicção de muitos que eu estava dizendo algo herético, absolutamente meu, a mencionar alguns itens de extensa lista de um patrimônio imobiliário do qual não podemos fugir, pelos termos do inventário executado, se de fato, pela posse, era um homem rico e está escrito. Então, Cildo, prevarica também essa nossa Igreja caririense pelo fato de não vir a público dizer tudo o que sabe, sem sofismas, para não continuar semeando dúvidas que em nada contribuem e até nos desanimam se as revelações nos conduzem aos subterrâneos das gestões mais corruptas. Não serão essas evidências ou essas suspeições que nos farão crer na ineficiência da instância jurídica a que a questão está submetida para a análise meticulosa e a decisão soberana. Todas as vezes que essa matéria volta aos noticiários, beirando a folha policial, é triste constatar que isso resvala para uma aresta que já devia ter sido bem esclarecida e que toca a posição e a conduta exemplar do Mons. Murilo de Sá Barreto, a quem coube consultar o seu superior e recebendo a aprovação, e ter firmado o negócio da venda dos terrenos. Você, Cildo, por ter convivido e escrito substancioso texto biográfico sobre a vida e obra de Pe. Francisco Murilo Correia de Sá Barreto, sabe perfeitamente das leviandades que em seu nome, em diversas oportunidades foram perpetradas, na sua boa fé e na retidão de seu caráter. Se na prática, documentos e procedimentos tomados, solidários ou à revelia de uma ou outra parte, posteriormente ao pactuado, institucionalmente, não há ingenuidade ou má fé aplicada às decisões que legitimaram a compra e a transferência do patrimônio. Por que isso não aconteceu, Cildo, e como você bem me relembrou, não cabe mais ao amigo querido que finou-se, angustiado e sofrido por toda a sorte de desenganos, ora partidos de políticos sem escrúpulos, ora partidos até de um seu irmão no sacerdócio, que animou a invasão da terra. Verdadeiramente, e essa seria a essência da defesa intransigente de Pe. Murilo, que sua memória não se ligue a isso que é o mais perverso nessa lembrança do Patriarca de Juazeiro, que o seu legado seja hoje objeto de uma disputa odiosa, capitaneada pela Igreja a que serviu com tanto zelo. Em artigo que fiz publicar em diversos jornais do Cariri, anos atrás, e nada mais a acrescentar, eu me indignei com esse jogo sujo de interesses que invadiu a causa a começar pelo vilipêndio que se aplicou a um dos homens mais corretos e mais honrados do meu tempo. Cabia a essa Igreja do Cariri a pronta e eficiente defesa de seu servo exemplar, mas o que se viu foi a frieza de uma indiferença estranha até para confirmar se de fato, tantos anos depois, ela reafirmava a decisão que se tomara à época, entre o clérigo, o presbitério e seu diocesano. Por fim, Cildo, saiba que eu mesmo considero que essa televisão, esse jornalismo que se faz é parte disso que cheira mal em nossa sociedade, por se prestar a divulgar em matérias sensacionalistas, falsamente glamourosas, daquilo que fede e emporca nossas vidas numa noite de domingo. 

(Crônica lida durante o Jornal da Tarde, da FM Padre Cícero, Juazeiro do Norte, em 10.08.2016)

O CINEMA ALTERNATIVO NO CARIRI

CINEMARANA (SESC, CRATO)
O Cinemarana (Teatro Adalberto Vamozi, SESC, Rua André Cartaxo, 443, Crato), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 15, segunda feira, às 19 horas, o filme O PLANETA PROIBIDO (Forbidden Planet, EUA, 1956, 99min). Direção de Fred M. Wilcox. Sinopse: Uma expedição liderada pelo Comandante John J. Adams (Leslie Nielsen) viaja rumo a um planeta distante para descobrir o que aconteceu com os cientistas que foram para lá iniciar uma colônia. Apenas um é encontrado: o arrogante Dr. Morbius (Walter Pidgeon), que vive em companhia da filha, Altaira (Anne Francis), e de um prestativo robô.
CINEMATÓGRAPHO (SESC, JN)
O Cinematógrapho (Teatro Patativa do Assaré, SESC, Rua da Matriz, 227, Juazeiro do Norte), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 17, quarta feira, às 19 horas, o filme O PLANETA PROIBIDO (Forbidden Planet, EUA, 1956, 99min). Direção de Fred M. Wilcox. (Veja, acima, para o SESC, Crato

CINE ELDORADO (JN)
O Cine Eldorado (Cantina Zé Ferreira, Rua Padre Cícero, Juazeiro do Norte), com entrada gratuita e com a curadoria e mediação do prof. Edmilson Martins, exibe no próximo dia 19.02, sexta feira, às 20 horas, dentro do Festival CHAPLIN, o filme LUZES DA RIBALTA (Limelight, EUA, 1952, 149min). Direção de Charles Chaplin. Sinopse: Londres, 1914. Calvero (Charles Chaplin) é um velho comediante, que no passado fizera sucesso no vaudeville e music hall. Calvero foi esquecido e isto o deixou muito próximo de se tornar alcoólatra. Porém tudo muda quando, numa tarde, ao voltar para pensão onde vive, sente um estranho cheiro e constata que é gás, vindo de um dos quartos. Ele arromba a porta e acha inconsciente uma jovem, Thereza Ambrose (Claire Bloom). Calvero chama um médico e ambos a carregam para o seu apartamento, que fica dois andares acima. Quando ela desperta, Calvero lhe pergunta por qual razão quis cometer suicídio. Theresa lhe explica que sempre sonhou ser uma grande bailarina, mas agora suas pernas estão paralisadas. Calvero promete fazer tudo para ajudá-la, mas o que ele não imagina é que, em pouco tempo, Theresa fará tudo para ajudá-lo.
CINE CAFÉ VOLANTE (BARBALHA)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, promove sessões semanais de cinema no seu Cine Café, na cidade de Barbalha (Auditório do Centro de Esportes e Artes Unificados Mestre Juca Mulato, Parque da Cidade, Parque da Cidade), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 19, sexta feira, às 19 horas, o filme BRILHO ETERNO DE UMA MENTE SEM LEMBRANÇAS (Eternal Sunshine of the Spotless Mind, EUA, 2004, 108min). Direção de Michel Gondry. Sinopse: Joel (Jim Carrey) e Clementine (Kate Winslet) formavam um casal que durante anos tentaram fazer com que o relacionamento desse certo. Desiludida com o fracasso, Clementine decide esquecer Joel para sempre e, para tanto, aceita se submeter a um tratamento experimental, que retira de sua memória os momentos vividos com ele. Após saber de sua atitude Joel entra em depressão, frustrado por ainda estar apaixonado por alguém que quer esquecê-lo. Decidido a superar a questão, Joel também se submete ao tratamento experimental. Porém ele acaba desistindo de tentar esquecê-la e começa a encaixar Clementine em momentos de sua memória os quais ela não participa.
CINE CAFÉ (CCBNB, JN)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, (Rua São Pedro, 337, Juazeiro do Norte), realizando sessões semanais de cinema no seu Cine Café, com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 20, sábado, às 17:30 horas, o filme PARIS, TEXAS (Paris, Texas, Alemanha Oc./EUA/França/Reino Unido, 1984, 147min). Direção de Wim Wenders. Sinopse: Um homem (Harry Dean Stanton) é encontrado exausto e sem memória em um deserto ao sul dos Estados Unidos. Aos poucos se recordando de sua vida, ele é acolhido pelo irmão Walt (Dean Stockwell), que é casado com Anne (Aurore Clément). Com eles vive também Alex (Hunter Carson), filho do homem sem memória, que aos poucos volta a se identificar com o pai.

sábado, 6 de agosto de 2016

O CINEMA ALTERNATIVO NO CARIRI

CINE SESC (SESC, CRATO)
No Teatro Adalberto Vamozi, Unidade SESC, Rua André Cartaxo, 443, Crato, com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 08.08, segunda feira, às 19 horas, o filme AMEAÇA QUE VEIO DO ESPAÇO (It Came from Outer Space, EUA, 1953, 80min). Direção de Jack Arnold. Sinopse: John Putnam e sua namorada Ellen vivem em uma pequena cidade dos Estados Unidos. Certa noite, enquanto espiavam as estrelas através de um telescópio, veem uma grande bola de fogo caindo perto de sua casa. Ao investigar o que era, John acaba se deparando com uma nave alienígena e tenta alertar o povo de sua cidade, mas até que eles acreditem pode ser tarde demais.

CINENINHO (SESC, CRATO)
O CineNINHO (Casa Ninho, do Grupo Ninho de Teatro, em frente a RFFSA, Crato), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 09.08, terça feira, às 19 horas, o filme MAIS ESTRANHO QUE A FICÇÃO (Stranger than Fiction, EUA, 2016, 113min). Direção de Marc Forster. Sinopse: Certa manhã Harold Crick (Will Ferrell), um funcionário da Receita Federal, passa a ouvir seus pensamentos como se fossem narrados por uma voz feminina. A voz narra não apenas suas idéias, mas também seus sentimentos e atos com grande precisão. Apenas Harold consegue ouvir esta voz, o que o faz ficar agoniado. Esta sensação aumenta ainda mais quando descobre pela voz que está prestes a morrer, o que o faz desesperadamente tentar descobrir quem está falando em sua cabeça e como impedir sua própria morte.
CINE SESC (SESC, JN)
No Teatro Patativa do Assaré, Unidade SESC, Rua da Matriz, 227, Juazeiro do Norte), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 10, quarta feira, às 19 horas, o filme AMEAÇA QUE VEIO DO ESPAÇO (It Came from Outer Space, EUA, 1953, 80min). Direção de Jack Arnold. (Para informações, veja a programação do SESC, Crato, acima) 

CINE CAFÉ VOLANTE (MISSÃO VELHA)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, promove sessões semanais de cinema no seu Cine Café, na cidade de Missão Velha (Auditório do Centro Social Urbano, CSU), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 11.08, quinta feira, às 19 horas, o filme AS VIRGENS SUICIDAS (The Virgin Suicides, EUA, 2000, 97min). Direção de Sofia Coppola. Sinopse: Durante a década de 70, o filme enfoca os Lisbon, uma família saudável e próspera que vive num bairro de classe média de Michigan. O sr. Lisbon (James Woods) um professor de matemática e sua esposa uma rigorosa religiosa, mãe de cinco atraentes adolescentes, que atraem a atenção dos rapazes da região. Porém, quando Cecília (Hanna R. Hall), de apenas 13 anos, comete suicídio, as relações familiares se decompõem rumo a um crescente isolamento e superproteção das demais filhas, que não podem mais ter qualquer tipo de interação social com rapazes. Mas a proibição apenas atiça ainda mais as garotas a arranjarem meios de burlar as rígidas regras de sua mãe.
CINE CAFÉ VOLANTE (BARBALHA)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, promove sessões semanais de cinema no seu Cine Café, na cidade de Barbalha (Auditório do Centro de Esportes e Artes Unificados Mestre Juca Mulato, Parque da Cidade, Parque da Cidade), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 12.08, sexta feira, às 19 horas, o filme HARRY & SALLY: FEITOS UM PARA O OUTRO (When Harry Met Sally, EUA, 1989, 95min). Direção de Bob Reiner. Sinopse: No fim de sua formatura na Universidade de Chicago, Harry Burns (Billy Crystal) dá a Sally Albright (Meg Ryan), formanda amiga de sua namorada, uma carona até Nova York. Os anos passam e eles continuam a se encontrar esporadicamente, mas a grande amizade que desenvolveram é abalada ao perceberem que na verdade estão apaixonados um pelo outro.
CINE ELDORADO (JN)
O Cine Eldorado (Cantina Zé Ferreira, Rua Padre Cícero, Juazeiro do Norte), com entrada gratuita e com a curadoria e mediação do prof. Edmilson Martins, exibe no próximo dia 12.08, sexta feira, às 20 horas, dentro do Festival Mazzaropi, o filme JECA TATU (Brasil, 1959, 95min). Direção de Milton Andrade. Sinopse: O roteiro é baseado no personagem Jeca Tatu, de Monteiro Lobato, mais especificamente no texto propagandístico com Jeca Tatuzinho cujos direitos pertencentes na época ao Instituto de Medicamentos Fontoura S.A. São apresentados os seguintes números musicais: "Ave Maria" (de Vicente Paiva e J. Redondo), cantada por Lana Bittencourt; "Tempo para amar" (de Fred Jorge e Mário Genari Filho) com os irmãos Tony e Cely Campelo; "Estrada do Sol" (de Antonio Carlos Jobim e Dolores Duran) com Agnaldo Rayol; "Fogo no rancho" (de Elpídio dos Santos e Anacleto Rosa) e "Pra mim o azar é festa" (de João Izidoro Pereira e Ado Benatti) ambos cantados por Mazzaropi. As filmagens foram em Pindamonhamgaba. Jeca é um roceiro preguiçoso de dar dó, mas esta preguiça está com os dias contados, pois seu ranchinho está ameaçado pela ganância de latifundiários sem coração. Agora ele vai usar todo seu jeito matreiro para conseguir seu cantinho de terra. Um clássico da filmografia de Mazzaropi. Às vezes engraçado, em outros momentos, de uma beleza tocante, ele trata com muita singeleza a figura do homem do campo e a questão da reforma agrária neste filme que é uma declarada homenagem do Mazzaropi ao conterrâneo Monteiro Lobato

CINE CAFÉ (CCBNB, JN)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, (Rua São Pedro, 337, Juazeiro do Norte), realizando sessões semanais de cinema no seu Cine Café, com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 13.08, sábado, às 17:30 horas, o filme FARGO – UMA COMÉDIA DE ERROS (Fargo, EUA/Inglaterra, 1996, 98min). Direção de Joel e Ethan Coen. Sinopse: Em 1987 em Fargo, no Dakota do Norte, o gerente (William H. Macy) de uma revendedora de automóveis, ao se ver em uma delicada situação financeira, elabora o seqüestro da própria esposa (Kristin Rudrud) e faz um acordo com dois marginais, que ganhariam um carro novo e metade dos 80 mil dólares que seriam pagos pelo seu sogro, um homem muito rico. Mas uma série de acontecimentos não previstos cria logo de início um triplo assassinato e uma chefe de polícia grávida (Frances McDormand) tenta elucidar o caso, que continua provocando mais mortes. 


ANUÁRIO OLÍMPICO
Já está circulando o Anuário Olímpico e Científico do Colégio Paraiso, para divulgar as atividades educativas da instituição, nos seus 45 anos de existência. Uma excelente revista, fartamente ilustrada contendo resultados de grandes conquistas, regionais, nacionais e até internacionalmente. O que mais impressiona é a abundância dessas conquistas, nas mais distintas áreas e em diversas olimpíadas bem como em feiras científicas. Congratulamo-nos com sua direção, todos os professores e o alunado brilhante que o Colégio vem formando. 


CARIRI REVISTA
Saiu mais uma edição da Cariri Revista, a de número 26 que traz em sua capa a menção de ótima matéria sobre a xilogravura juazeirense, centrada na excelência e na genialidade de um dos seus artesãos, o artista José Lourenço Gonzaga. A revista elegeu também a família de xilógrafos e poetas de literatura de Cordel Abraão Batista, o filho Hamurabi e a neta Jarid. Vale a pena ler estas matérias.




REVISTA SÉTIMA, 34
A cada começo de mês o prazer que se renova é o lançamento de mais uma edição da Revista Sétima de Cinema, em noite movimentadíssima na Teatro Patativa de Assaré, no SESC de Juazeiro do Norte, numa promoção da instituição e do Grupo de Estudos de Cinema, coordenado por Elvis Pinheiro. Assim, na última terça feira conhecemos a edição 34, no terceiro ano de atividade. Nesta edição da Coluna estamos, como sempre fazemos, damos maior realce à programação do Cinema Alternativo no Cariri, um dos frutos maravilhosos de toda a equipe que tem sempre se esmerado para editar uma ótima revista, instrumento forte para animar e dinamizar as atividades de todos aqueles que apreciam a sétima arte. No presente número, Elvis Pinheiro escreve o editorial, secundado por ótimos artigos a cargo de Emerson do Nascimento, Camila Prado, Virginia Macedo, David Oliveira 

RECONHECIMENTO
Pela LEI Nº 4640, de 21.07.2016, o município de Juazeiro do Norte Reconhece como de utilidade pública a ASSOCIAÇÃO DE MORADORES E PRODUTORES RURAIS DO SÍTIO MOLEQUE, fundada em 10 de dezembro de 1987, com sede no Sítio Moleque, sociedade civil, sem fins lucrativos, de duração indeterminada, regendo-se por seu estatuto social, bem como pelas Leis, usos e costumes nacionais. AUTORIA: Vereador Danty Bezerra Silva; COAUTORIA: Vereador José Nivaldo Cabral de Moura.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016


BOA TARDE (I)
Dou continuidade à publicação nesta página das pequenas crônicas que estão sendo lidas no Jornal da Tarde (FM Rádio Padre Cícero, 104,9 de Juazeiro do Norte) nos dias de segundas, quartas e sextas feiras, sob o título Boa Tarde para Você.
235: (25.07.2016) Boa Tarde para Você, Plácido Cidade Nuvens
Retornei a Santana do Cariri, nesse último fim de semana, especialmente para revisitar o Museu de Paleontologia, fundado em 1985, e hoje administrado no domínio da Universidade Regional do Cariri, desde 1991, quando a prefeitura da cidade o entrega como régio presente. É muito importante referir, prof. Plácido Cidade Nuvens, que à frente disso tudo, de todas essas ações, esteve o seu empenho pessoal, ou durante as suas gestões municipais, ou na sua dedicação docente ou no seu período à frente da reitoria da URCA. Esses gestos concretos, contabilizados, deixam bem claro a nossa gratidão por ter contribuído de forma definitiva para a realização de tudo quanto hoje, brilhantemente, contemplamos. Desde então, o Museu é parte intransferível do nosso orgulho caririense, inserto nos nossos roteiros que contemplam destinos turísticos e tantas outras coisas mais relevantes, de cunho científico, como entendemos que essa instituição congrega no seu relacionamento mais amplo e internacional. Revisitei-o acompanhado de professores da USP e da Unicamp de passagem pelo Cariri, e essa foi a oportunidade para por sobre todo o seu acervo algo mais que as minhas observações apressadas, da curiosidade sobre aqueles objetos de milhões de anos à nossa frente, marcos de nossas origens. A primeira e maior impressão que nos fica, prof. Plácido, é inevitavelmente o da grandeza deste trabalho que a instituição vem realizando, desde mesmo a sua pré-história, de antes de 1985, quando o governo recolhia e mantinha um grande acervo fósseis na cidade de Crato. É muito importante que saibamos o que extraordinário essa instituição já vem realizando para difundir as pesquisas que vem sendo realizadas, através de cursos, palestras, treinamentos, produção científica e tecnológica envolvendo todo o complexo paleontológico da Chapada do Araripe. Ficamos particularmente impressionados, prof. Plácido, em ser acompanhados por jovens tão prestimosos, bolsistas da instituição, gente que recebe permanentemente, ao lado de sua escolaridade, o fomento indispensável para o conhecimento científico em torno da paleontologia. A grandeza desse Museu também sentimos na medida em que ele é reconhecido, mundialmente, pela constituição de núcleo importante ao apoio de pesquisadores e centros de pesquisas, e que convergem para as atividades de intercâmbio científico nas prospecção da bacia do Araripe, gerando conhecimento de incalculável valor nas áreas de geologia e paleontologia. Causou certa estranheza entre os professores que acompanhei a inexistência, nem na URCA, nem em outras instituições da região, um maior esforço para a constituição e manutenção de cursos de graduação acadêmica nas áreas de geologia e paleontologia. Mas isso parece, ao que se sabe, e felizmente, não constitui embaraço maior ao andamento de tal e grandioso esforço em catalisar, de forma técnica e mesmo na logística, o abrigo indispensável a todo o projeto de desenvolvimento científico empreendido pelo Museu. E a propósito desse breve comentário à margem de nossa visita, acrescento que diversas outras questões foram elencadas como comentários, todos objetivando a melhor performance dos serviços do museu, envolvendo melhorias das instalações, entre informações, iluminação, expositores, etc. Todos nós entendemos que aos discursos entusiasmados dos governos em apoio ao desenvolvimento científico e tecnológico, bem como também para as áreas de turismo regional, bem mais necessita ser feito para prestigiar instituições seríssimas como esse Museu de Santana. Prof. Plácido, por já ter dirigido um museu em Juazeiro do Norte, não posso deixar de observar que a visitação ao Museu de Paleontologia é ainda muito modesta para a sua importância, e cabe a cada um de nós um pequeno esforço para compor uma força no sentido de melhores resultados. Isso é parte de nossa responsabilidade social, o que nos cabe no exercício de nossa cidadania para entender e contribuir para o êxito pleno de uma das mais sérias, úteis e importantes instituições no plano do científico e cultural que representa a competência e o empenho desse homem do Cariri. Faço daqui um modesto esforço para me incorporar a um coro maior pela permanente observação, interesse, divulgação e empenho, a ponto de exigir dos governos e da sociedade a formação de uma comunidade de apoio, defesa e proteção a todas as suas atividades. Afinal, prof. Plácido, em agradecimento, não há nada de excepcional nisso, senão porque tudo o que desejamos realizar pelo Cariri, por seus melhores dias, também passa por Santana do Cariri e por seu Museu de Paleontologia.

(Crônica lida durante o Jornal da Tarde, da FM Padre Cícero, Juazeiro do Norte, em 25.07.2016)

O CINEMA ALTERNATIVO NO CARIRI

CINE ELDORADO (JN)
O Cine Eldorado (Cantina Zé Ferreira, Rua Padre Cícero, Juazeiro do Norte), com entrada gratuita e com a curadoria e mediação do prof. Edmilson Martins, exibe no próximo dia 5, sexta feira, às 20 horas, dentro do FESTIVAL OSCAR (1968), o filme NO CALOR DA NOITE (In the heat of night, EUA, 1967, 109min). Direção de Norman Jewson. Sinopse: Quando Philip Colbert (Jack Teter), o principal empresário de Sparta, uma cidade do Mississipi, é morto, o policial Sam Wood (Warren Oates) tenta achar o culpado. Ao ver na estação de trem um negro bem vestido, Virgil Tibbs (Sidney Poitier), ele é preso como suspeito sem chance de argumentar. Quando Sam vê que Tibbs tinha uma incomum quantidade de dinheiro para um negro de Sparta, o policial fica certo que encontrou o assassino. Mas o xerife Bill Gillespie (Rod Steiger) descobre, para seu espanto e constrangimento, que Virgil é um detetive da polícia da Filadélfia, que visitava sua família. Ironicamente Virgil é um expert em homicídios e recebe ordens do seu superior para ajudar no caso. Isto o desagrada e também a Gillespie, que não gosta de ter um policial negro ajudando nas investigações. Para deixar mais tensa a situação Leslie Colbert (Lee Grant), a viúva da vitima, vê a ineficiência da polícia de Sparta e exige a presença de Virgil. Gillespie odeia a idéia, mas há uma grande pressão para o caso ser solucionado, assim aceita a colaboração de Virgil. Aos poucos vai surgindo um respeito entre eles. Virgil reconhece que Gillespieé uma pessoa bem decente, que está tentando fazer o melhor possível, e Gillespie passa a admirar Virgil por sua experiência e profissionalismo. Mas um detetive negro comandar uma investigação em uma região muita racista pode não dar certo.

CINE CAFÉ VOLANTE (BARBALHA)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, promove sessões semanais de cinema no seu Cine Café, na cidade de Barbalha (Auditório do Centro de Esportes e Artes Unificados Mestre Juca Mulato, Parque da Cidade, Parque da Cidade), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 5, sexta feira, às 19 horas, o filme SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS (Dead Poets Society, EUA, 1990, 129min). Direção de Peter Weir. Sinopse: Conta a história de um professor de poesia nada ortodoxo, de nome John Keating, em uma escola preparatória para jovens, a Academia Welton, na qual predominavam valores tradicionais e conservadores. Esses valores traduziam-se em quatro grandes pilares: tradição, honra, disciplina e excelência. Com o seu talento e sabedoria, Keating inspira os seus alunos a perseguir as suas paixões individuais e tornar as suas vidas extraordinárias. O filme mostra também que em certa altura da vida, as pessoas, em especial os jovens, deveriam opor-se, contestar, gritar e sobretudo ser "livres pensadores", e não deixar que ninguém condicione a sua maneira de pensar, mas também ensina esses mesmos jovens a usarem o bom-senso. A Sociedade dos Poetas Mortos é formada por Todd A. Anderson (Ethan Hawke), Neil Perry (Robert Sean Leonard), Steven K. C. Meeks Jr. (Allelon Ruggiero), Charlie Dalton (Gale Hansen), Knox T. Overstreet (Josh Charles), Richard S. Cameron (Dylan Kussman) e Gerard J. Pitts (James Waterston). Repleta de citações de grandes nomes da literatura de língua inglesa, como Henry David Thoreau, Walt Whitman, e Byron, e de belas imagens metafóricas, Sociedade dos poetas mortos deixa uma profunda mensagem de vida sintetizada na expressão latina Carpe diem,("aproveite o dia"), cujo sentido é: aproveite, goze a vida, ela dura pouco, é muito breve. Uma das fontes originais do roteiro é certamente O Despertar da Primavera de Frank Wedekind que enfoca jovens vivendo numa escola alemã no final do século XIX.
CINE CAFÉ (CCBNB, JN)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, (Rua São Pedro, 337, Juazeiro do Norte), realizando sessões semanais de cinema no seu Cine Café, com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 6, sábado, às 17:30 horas, o filme OU TUDO OU NADA (The full monty, EUA/Reino Unido, 1997, 91min). Direção de Peter Cattaneo. Sinopse: Sheffield é conhecida como a "cidade do aço", devido ao grande numero de empresas do setor instaladas no local. Atualmente em declínio, as indústrias cada vez mais realizam demissões, o que gera um grande número de desempregados. Um deles é Gaz (Robert Carlyle), que está prestes a perder a custódia do filho por não ter dinheiro para sustentá-lo. Seus amigos não estão em situação muito melhor: Dave (Mark Addy) está com depressão e convencido de que a esposa não está mais interessada no casamento; Lomper (Steve Huison) cuida da mãe e tem tendência suicida; e Gerald (Tom Wilkinson) mente há seis meses para a esposa, dizendo que permanece empregado. Após perceber um grande número de mulheres dispostas a pagar para assistir um show de strippers, Gaz tem a ideia de que eles e os amigos estrelem um show do tipo. A diferença é que eles, ao contrário dos concorrentes, pretendem tirar toda a roupa no espetáculo.


CINE CAFÉ VOLANTE (VÁRZEA ALEGRE)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, promove sessões semanais de cinema no seu Cine Café, na cidade de Várzea Alegre (Associação Comunitária do Sitio Umari dos Costas), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 6, sábado, às 18 horas, o filme PARAÍBA, MEU AMOR (2007, 74 min.). Direção de Bernand Robert-Charrue, SUIÇA. Sinopse: O diretor suíço descobriu por acaso o forró em 2005, quando fazia uma viagem a Olinda, Pernambuco. Estava em um bar local e viu um trio tocando o ritmo, o que lhe despertou interesse imediato. Na fase seguinte da viagem, no Rio de Janeiro, comprou o que pôde encontrar sobre esse estilo musical, embora não tivesse achado muita coisa. Por isso, para dar início às filmagens, Charrue pediu ajuda a um amigo suíço que mora há trinta anos em Patos, Paraíba. Dias depois, ele recebeu em casa CDs de vários artistas paraibanos (Flávio José, Pinto do Acordeon, Aleijadinho e Amazan). A produção do filme em si teve início em 2006. Em entrevista à revista Istoé, em 2009, Charrue revelou detalhes das filmagens: «Filmei boa parte durante o São João em Campina Grande, mas acabei voltando em dezembro do ano passado e janeiro deste ano para registrar o período da seca nordestina (...) Sou um apaixonado pelo ritmo» Em 25 de janeiro de 2008 Paraíba, Meu Amor foi exibido pela primeira vez na cidade alemã de Karlsruhe. A exibição no Brasil ocorreu no dia 10 de março do mesmo ano, quando este foi lançado em João Pessoa e no dia seguinte em Campina Grande. No dia 15 do mesmo mês foi exibido na cidade de Patos. Quase seis meses depois, em 11 de julho de 2008, houve uma homenagem ao forró e a Luiz Gonzaga no Festival de Montreux, realizado na cidade suíça de mesmo nome.[5] [nota 2] Nesse mesmo dia, o documentário foi exibido na «sala Miles Davis» e posteriormente houve apresentação dos músicos paraibanos (Chico César,[4]Flávio José, Pinto do Acordeon, Trio Tamanduá e Aleijadinho de Pombal. Por não viajar mais de avião, Dominguinhos não foi ao evento, embora tenha participado do filme. O filme seria lançado no cinema suíço e depois na TV européia. Inicialmente, o projeto era apenas para a televisão, mas houve a demanda do cinema. É um efeito raro, pois quando a TV se interessa, o cinema não quer. Paraíba, Meu Amor mostra a união em estúdio de Dominguinhos com o acordeonista francês Richard Galliano. Os dois deveriam se encontrar na França, mas Dominguinhos não viaja de avião, então o Richard veio ao Brasil. O documentário intercala entrevistas e apresentações de Chico César,[4] nascido no Sertão do paraibano, além de Aleijadinho de Pombal, Trio Tamanduá, Pinto do Acordeon e o grupo Os 3 do Nordeste, entre outros.

HOMENAGENS

Pela LEI N.º 4633, de 18.07.2016 em seu Art. 1.º - Fica denominada de UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE – UBS MARIA DAS DORES SILVA SANTOS (DORA), o Próprio Municipal localizado no bairro José Geraldo da Cruz, nesta cidade de Juazeiro do Norte, Estado do Ceará. AUTORIA: Vereadora Maria de Fátima Ferreira Torres.

Através da LEI N.º 4631, de 18.07.2016 em seu Art. 1.º - Fica denominado de CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL – CRAS ALAÍDE SILVA SANTOS, o Próprio Municipal localizado à Rua Arnóbio Bacelar Caneca no bairro Jardim Gonzaga, nesta cidade de Juazeiro do Norte, Estado do Ceará. AUTORIA: Vereador José Nivaldo Cabral de Moura 
Mediante a LEI N.º 4634, de 18.07.2016 no seu Art. 1.º - Fica denominada de UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE – UBS LEONARDO DE MATOS ANDRADE, o Próprio Municipal localizado à Rua Luiz Silva Soares, s/n.º, no bairro São José, nesta cidade de Juazeiro do Norte, Estado do Ceará. AUTORIA: Vereador José Nivaldo Cabral de Moura; COAUTORIA: Vereador Danty Bezerra Silva 
Pela LEI N.º 4635, de 18.07.2016 em seu Art. 1.º - Fica denominada de UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE – UBS VEREADOR ADAUTO BATISTA PALITOT, o Próprio Municipal localizado à Rua Santa Clara, s/n.º, nas proximidades da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, no bairro Salesianos, nesta cidade de Juazeiro do Norte, Estado do Ceará. AUTORIA: Vereador Paulo José de Macedo; COAUTORIA: Vereadora Maria de Fátima Ferreira Torres. 
Através da LEI N.º 4636, de 18.07.2016 em seu Art. 1.º - Fica denominada de UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE – UBS JOSÉ JAIME BEZERRA DE MELO, o Próprio Municipal localizado na Vila Três Marias, nesta cidade de Juazeiro do Norte, Estado do Ceará. AUTORIA: Vereador João Alberto Morais Borges; COAUTORIA: Vereador José Nivaldo Cabral. 
CIDADANIA JUAZEIRENSE



Através da RESOLUÇÃO N.º 831, de 14.07.2016, em seu Art. 1.º - Fica concedido o Título Honorífico de Cidadão Juazeirense ao Ilustre Senhor MICHEL OLIVEIRA ARAÚJO, pelos relevantes serviços prestados à comunidade juazeirense. Autoria: Antônio Cledmilson Vieira Pinheiro; Coautoria: Antônio Vieira Neto, Glêdson Lima Bezerra, Normando Sóracles Gonçalves Damascena, Cláudio Sergei Luz e Silva e João Alberto Morais Borges. Subscrição: José Adauto Araújo Ramos, José Nivaldo Cabral de Moura, Firmino Neto Calú, Rubens Darlan de Morais Lobo, José Tarso Magno Teixeira da Silva, Paulo José de Macêdo, Pedro Bertrand Alencar Montezuma Rocha e pela Vereadora Maria de Fátima Ferreira Torres.

Obs.: Michel Oliveira Araújo Possui Especialização em Economia Empresarial pela Universidade Regional do Cariri (2004), Especialização em Administração de Empresas pela Faculdade Leão Sampaio (2003) e Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Regional do Cariri (1999). Atualmente é presidente - CDL - Câmara de Dirigentes Lojistas de Juazeiro do Norte, Vice-Presidente da FCDL-CE - Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Ceará e Conselheiro Fiscal da CNDL - Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas, proprietário da World Micro Informática Ltda e da HM Empreendimentos, Comércio e Edificações Ltda.

Pela RESOLUÇÃO N.º 832 de 14.07.2016 em seu Art. 1.º - Fica concedido nos termos do artigo 198 e seguintes da Resolução n.º 297/2001 (Regimento Interno) o Título Honorífico de Cidadão Juazeirense ao Ilustre Senhor JADER BATISTA MOREIRA DOMINGOS (JADER GUGA). Autoria: João Alberto Morais Borges; Coautoria: Glêdson Lima Bezerra, Normando Sóracles Gonçalves Damascena, Cláudio Sergei Luz e Silva. Subscrição: José Adauto Araújo Ramos, José Nivaldo Cabral de Moura, Antônio Cledmilson Vieira Pinheiro, Antônio Vieira Neto, Rubens Darlan de Morais Lobo, José Tarso Magno Teixeira da Silva, Paulo José de Macêdo, Pedro Bertrand Alencar Montezuma Rocha e pela Vereadora Maria de Fátima Ferreira Torres.

Com a RESOLUÇÃO N.º 833 de 14.07.2016 em seu Art. 1.º - Fica concedido o Título Honorífico de Cidadão Juazeirense ao Senhor ANDRÉ PEIXOTO FIGUEIREDO LIMA, pelos inestimáveis serviços prestados ao Município de Juazeiro do Norte. Autoria: Cláudio Sergei Luz e Silva; Subscrição: Glêdson Lima Bezerra, Normando Sóracles Gonçalves Damascena, José Adauto Araújo Ramos, Antônio Cledmilson Vieira Pinheiro, Antônio Vieira Neto, Rubens Darlan de Morais Lobo, José Tarso Magno Teixeira da Silva, João Alberto Morais Borges, Pedro Bertrand Alencar Montezuma Rocha e pela Vereadora Maria Calisto de Brito Pequeno. 

RECONHECIMENTO PÚBLICO
Pela LEI N.º 4632, de 18.07.2016, em seu Art. 1º – Fica reconhecida de utilidade pública a ASSOCIAÇÃO DOS DEFICIENTES FÍSICOS DO CARIRI – ADFCA, da cidade de Juazeiro do Norte, Estado do Ceará, constituída em 31/10/2015, como sociedade civil sem fins lucrativos, podendo, contudo, desenvolver atividades produtivas para a sua subsistência e manutenção, com sede e foro nesta cidade de Juazeiro do Norte, congregando número limitado de associados, sem distinção de origem, sexo, raça, clero, idade ou opção político/partidário, com duração indeterminada, regendo-se por seu estatuto social, bem como pelas Leis, usos e costumes nacionais. AUTORIA: Vereadora Maria de Fátima Ferreira Torres. 

Com a LEI N.º 4637, de 18.07.2016, em seu Art. 1º – Fica reconhecida de utilidade pública a ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA PARQUE ECOLÓGICO DO BAIRRO JOSÉ GERALDO DA CRUZ, constituída em 27 de março de 2016, da cidade de Juazeiro do Norte, Estado do Ceará, sociedade civil, sem fins lucrativos, com duração indeterminado, regendo-se por seu estatuto social, bem como pelas Leis, usos e costumes nacionais. AUTORIA: Vereador João Alberto Morais Borges; COAUTORIA: Vereador José Nivaldo Cabral de Moura.
E A CIDADE CRESCE...
E por esta razão, a municipalidade, através da LEI N.º 4629, de 18.07.2016 estabeleceu o prolongamento de diversas ruas, conforme o Art. 1.º - Fica prolongadas as artérias públicas do bairro Novo Juazeiro, a saber: I – Fica prolongada a RUA ADVOGADO JOSÉ FERREIRA, partindo a Rua Jim Reay Wilson, no sentido Oeste/Leste, até a Rua Fiscal João Pereira, no bairro Novo Juazeiro, nesta urbe; II – Fica prolongada a RUA IARA MARIA ALENCAR TAVARES, partindo a Rua Cícero Agostinho Militão no sentido Oeste/Leste, até a Travessa José Galdino Filho, no bairro Novo Juazeiro, nesta cidade; III – Fica denominada de RUA FRANCISCO PRIMO BEZERRA, a primeira rua paralela ao norte, à Avenida Antônio Sales, no sentido Oeste/Leste, partindo da Rua Jim Reay Wilson e terminando na Rua Fiscal João Pereira, no bairro Novo Juazeiro; IV – Fica prolongada a RUA RAIMUNDO SOBREIRA ROCHA, partindo da Avenida Antônio Sales, sentido Sul/Norte, numa extensão de 300,00m até as terras dos herdeiros Horácio da Rocha Sobreira, no bairro Novo Juazeiro; V – Fica prolongada a RUA FISCAL JOÃO PEREIRA, partindo da Avenida Antônio Sales, sentido Sul/Norte, numa extensão de 300,00m até as terras dos herdeiros Horácio da Rocha Sobreira, no bairro Novo Juazeiro, nesta cidade; VI – Fica prolongada a RUA CÍCERO AGOSTINHO MILITÃO, partindo da Avenida Antônio Sales, sentido Sul/Norte, numa extensão de 300,00m até as terras dos herdeiros Horácio da Rocha Sobreira, no bairro Novo Juazeiro; VII – Fica prolongada a RUA MARCOS JOSÉ RODRIGUES, a partir da Avenida Antônio Sales, sentido Sul/Norte, numa extensão de 300,00m até as terras dos herdeiros Horácio da Rocha Sobreira, no bairro Novo Juazeiro, nesta cidade; VIII – Fica prolongada a RUA ESCRITOR HUMBERTO CAMPOS, a partir da Avenida Antônio Sales, sentido Sul/Norte, numa extensão de 300,00m até as terras dos herdeiros Horácio da Rocha Sobreira, no bairro Novo Juazeiro, nesta cidade; IX – Fica prolongada a RUA SÃO JUDAS TADEU, a partir da Avenida Antônio Sales, sentido Sul/Norte, numa extensão de 300,00m até as terras dos herdeiros Horácio da Rocha Sobreira, no bairro Novo Juazeiro, nesta cidade; X – Fica prolongada a RUA JÚLIA NOGUEIRA DE SOUZA, a partir da Avenida Antônio Sales, sentido Sul/Norte, numa extensão de 300,00m até as terras dos herdeiros Horácio da Rocha Sobreira, no bairro Novo Juazeiro, nesta cidade. AUTORIA: Vereador Danty Bezerra Silva.

PRAÇA DIRCEU (INÁCIO) DE FIGUEIREDO
Finalmente, por obra e graça da ​LEI N.º 4638, de 20.07.2016, com um atraso de uns Cinquenta Anos, foi oficializado o nome da Praça Dirceu Figueiredo, a antiga Praça Carlos Gomes. Esse nome foi dado a uma importante figura juazeirense, de importante família da cidade, banqueiro. No texto, por seu Art. 1.º - Fica oficializado o nome de PRAÇA DIRCEU FIGUEIREDO, a antiga Praça Carlos Gomes, localizada entre as ruas Carlos Gomes (Norte); do Seminário (Sul), São Pedro (Leste) e com o prédio sede da Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte (Oeste – Palácio Municipal José Geraldo da Cruz). (E apenas pela FORMALIDADE, FORAM ACRESCIDOS): Art. 2.º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3.º - Revogam-se as disposições em contrário. 

Obs.: É o caso de se perguntar: Na origem, a construção da sede da PMJN, houve o ato formal e se os menos avisados ainda dizem, Praça da Prefeitura, isso não quer dizer que não havia uma nomenclatura oficial, reproduzida, inclusive, até nas publicações oficiais, indicando o nome do logradouro. Mas tudo bem, menos mal, porque não se trocou a homenagem merecida. Contudo, aproveito a oportunidade para conclamar os senhores vereadores que procurem, na medida do possível, resolver as seguintes pendências: 1. Corrigir muitos casos de Nomenclatura errada (incluindo o nome completo, retirada de tratamentos, exceto militares e religiosos e de profissões); 2. Eliminar a Duplicidade, e às vezes a triplicidade de homenagens, sob a alegativa de que são, por exemplo, escola, rua, praça, travessa, etc.); 3. Acabar com a ausência de homenagens a ilustrados personagens da vida juazeirense que até hoje não foram devidamente homenageados; 4. Fazer um esforço para convencer a municipalidade para licitar compra de novas placas de bom material, eliminando as chamadas placas tipo “Sonrisal”, aquelas que se dissolvem nas primeiras chuvas apagando as letras e suprindo as necessidades de ruas inteiras que não tem o número adequado de indicações; 7. Manter nos arquivos da CMJN um Processo para cada homenagem, incluindo biografia e fotografia do homenageado. Só isso já seria de bom tamanho, sem falar nessa patriotada miserável de nomear logradouro com qualquer nome para atender a clientela de eleitores.

sábado, 23 de julho de 2016


BOA TARDE (I)
Dou continuidade à publicação nesta página das pequenas crônicas que estão sendo lidas no Jornal da Tarde (FM Rádio Padre Cícero, 104,9 de Juazeiro do Norte) nos dias de segundas, quartas e sextas feiras, sob o título Boa Tarde para Você.
234: (16.07.2016) Boa Tarde para Você, Antonio Sávio Aires Furtado

Em dias passados, senti uma enorme satisfação ao saber da proclamação pública que se deu, da parte do nosso Conselho Regional de Química, distinguindo-o, Sávio, como o profissional do ano, na nossa categoria de engenheiro químico, com medalha, diploma, pompa e circunstância. Costumo ir a essa celebração do Dia do Químico, há mais de quarenta anos, mas dessa vez, agora residindo aqui no Cariri, alguns compromissos me impediram de renovar a agradabilíssima companhia de tantos colegas na profissão e de, especialmente, abraça-lo nessa oportunidade. Esse dia, o 18 de Junho, nasceu para nós, pela sanção do então presidente Juscelino, criando em 1956 o exercício profissional da categoria, bem como os diversos Conselhos, entre o federal e os regionais, como esse nosso, o décimo, hoje presidido por esse caririense maravilhoso, nosso antigo mestre da ciência e da arte, o Dr. Cláudio Sampaio Couto, de grande orgulho jardinense. Quero crer que nesse fato também se repita o sentimento e a convicção que lhe invade porque tal consagração nos remete a reflexão de que a esta caminhada da vida, nos chegam os demonstrativos do quanto fomos felizes desde aquele momento crucial quando se escolhe a profissão a seguir. Posso lhe dizer que ser engenheiro químico foi algo que me inquietou nos primeiros anos, pela reflexão pertinente de que eu contrariara um velho desejo de família que me habituara a pensar num caminho de engenheiro eletricista, a satisfazer melhor seu Luiz Casimiro, do Centro Elétrico. O tempo demonstrou a mim, e bem imagino que a si, também, que esses detalhes se diluem ao longo desse exercício profissional e, felizmente, esse é apenas um detalhe de histórias que podemos contar nas memórias do trajeto, diante do sucesso não efêmero que nos promove. Tenho imensa alegria de ter participado, modestamente, é bem verdade, dessa sua escalada e vez por outra, mesmo à distância, me orgulho de tão exemplar companhia a palmilhar as responsabilidades profissionais e cidadãs que nos impõe a competência que assumimos. Lembro particularmente quantas vezes estivemos juntos por motivações comuns aos nossos olhares zelos e cuidados, a esmerar treinamento, a conduzir tratativas e a realizar algo que se traduziu em grande prazer por sabê-lo tão ativo e competente diante do que esse nosso Cariri esperava e espera. Foi assim que entre idas e vindas, estivemos juntos no Centro de Pesquisas e Análises da M. Dias Branco, no Eusébio, no que se desenhava para aquele empreendimento de rapadura e doces, em Barbalha, ou no que era necessário fazer para a pureza de águas industriais, no trato com processamento de alimentos, e em tantas coisas que nos animavam em longas conversas. Confesso a você, meu caro Sávio, uma enorme admiração pelo seu espírito empreendedor, pelo seu jeitão inquieto e avexado, por sua disponibilidade e permanente interesse pelo setor industrial do Cariri, e nas atenções que você dedica a tantos, problemas e causas, que vão ao seu encontro. Manifesto a minha atenção ao seu interesse de grande valia quando toca a questão ambiental de nossa região, a mencionar particularmente as suas gestões em mitigar os impactos que se verificam por este crescimento desordenado e habitualmente improvisado às soluções apressadas. Relevo a sua sensibilidade em mediar soluções de largo alcance, especialmente naquele caso de destino final e de reprocesso de resíduos tóxicos para a Europa, indicando em elevado grau o sentido, a solução e o entendimento avançado sobre questão tão preocupante. Noutro dia você me honrou ao procurar situar a questão grave dos aditivos químicos nas formulações alimentícias e que tão sérias repercussões tem sobre as ações de alergenicidade que se desenvolvem nos consumidores, sendo uma questão explícita de saúde pública. Esse, meu caro Sávio, é um filão que necessita ser mais amplamente tratado e equacionado, uma vez que recai sobre nós, em princípio, as angústias de sermos usuários de uma parafernália de moléculas que vão gradativamente alterando a relação do homem com o meio, através da saúde. Infelizmente, o desordenamento social promove esse conflito e o abandono dos campos entrega a produção de alimento aos detentores de negócios com grandes comodities, a ponto de, industrialmente, se promover soluções que vamos digerindo a duras e pesadas penas. Saúdo você nessa tarde, meu dileto e “inoxidável” amigo Sávio Aires, pois assim espero que o tempo lhe conserve, e que essa atmosfera não perturbe suas ações e reações tão beneméritas. 
(Crônica lida durante o Jornal da Tarde, da FM Padre Cícero, Juazeiro do Norte, em 16.07.2016)

AEROPORTO DE JUAZEIRO DO NORTE
Nosso aeroporto continua reclamando grande atenção para a resolução dos seus problemas, alguns crônicos. Recentemente, uma comitiva de gestores e políticos esteve em Brasília para tentar sensibilizar o governo para os investimentos necessários à solução definitiva das demandas com respeito aos setores de pista, terminal, e demais necessidades. Sempre que falamos destas necessidades, sempre nos ocorre a lembrança sobre a importância do nosso aeródromo, objeto do interesse de uns 150 municípios ao nosso redor, entre estados nordestinos. Tomo emprestado uma ilustração concebida pela Revista Cariri, com um gráfico onde está demonstrada a performance exuberante de nosso aeroporto. Vejamos aí que dos 6 aeroportos regionais de importância para o Nordeste (Ilhéus, Juazeiro do Norte, Petrolina, Imperatriz, Campina Grande e Parnaiba, o nosso é o mais representativo neste seleto grupo, uma vez que nos últimos 14 anos ele é o que mais acentuadamente tem crescido a sua utilização, hoje beirando o meio milhão de passageiros por ano. Resta-nos continuar trabalhando e pressionando para que nossos governantes enxerguem que isso é um dado importantíssimo a nos fortalecer diante desta batalha.
O CINEMA ALTERNATIVO NO CARIRI

SESC, (CRATO)
No Teatro Adalberto Vamozi, SESC, Rua André Cartaxo, 443, Crato), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 25, segunda feira, às 19 horas, o filme E SE VIVÊSSEMOS TODOS JUNTOS? (Et si on vivait tous ensemble?, Alemanha/França, 2012, 96min). Direção de Stéphane Robelin. Sinopse: Annie (Geraldine Chaplin), Jean (Guy Bedos), Claude (Claude Rich), Albert (Pierre Richard) e Jeanne (Jane Fonda) são melhores amigos há mais de quatro décadas. Enquanto os dois primeiros e os dois últimos são casados, o do meio é um tremendo solteirão convicto, que não se cansa de aproveitar a vida. Quando a saúde deles começa a piorar e o asilo se apresenta como solução para um deles, surge a ideia de todos morarem juntos. Mas a novidade acaba trazendo a reboque algumas antigas experiências, que irão provocar novas consequências na vida de cada um.
SESC, (JN)
No Teatro Patativa do Assaré, SESC, Rua da Matriz, 227, Juazeiro do Norte), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 27, quarta feira, às 19 horas, o filme INVERNO DE SANGUE EM VENEZA (Don´t look now, Itália/Reino Unido, 1973, 110min). Direção de Nicolas Roeg. Sinopse: Após a trágica morte acidental de sua filha, o casal Laura (Julie Christie) e John Baxter (Donald Sutherland) decide começar uma nova vida em Veneza, onde ele trabalhará na restauração de uma igreja. Lá os dois conhecem duas estranhas irmãs. Uma delas afirma ter contato com o espírito da criança falecida e avisa que o casal corre um sério risco em Veneza. John duvida, mas logo começa a ter misteriosas visões.

CINE CAFÉ VOLANTE (BARBALHA)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, promove sessões semanais de cinema no seu Cine Café, na cidade de Barbalha (Auditório do Centro de Esportes e Artes Unificados Mestre Juca Mulato, Parque da Cidade, Parque da Cidade), com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 29, sexta feira, às 19 horas, o filme ENCONTROS E DESENCONTROS (Lost in Translation, EUA, 2003, 195min). Direção de Sofia Coppola. Sinopse: Bob Harris (Bill Murray) é uma estrela de cinema, que está em Tóquio para fazer um comercial de uísque. Charlotte (Scarlett Johansson), por sua vez, está na cidade acompanhando seu marido, um fotógrafo workaholic (Giovanni Ribisi) que a deixa sozinha o tempo todo. Sofrendo com o horário, Bob e Charlotte não conseguem dormir. Eles se encontram, por acaso, no bar de um hotel de luxo, e em pouco tempo tornam-se grandes amigos. Resolvem então partir pela cidade juntos. A eles junta-se uma jovem atriz chamada Kelly (Anna Faris), com quem vão viver algumas aventuras pela cidade de Tóquio. 

CINE CAFÉ (CCBNB, JN)
O Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil, (Rua São Pedro, 337, Juazeiro do Norte), realizando sessões semanais de cinema no seu Cine Café, com entrada gratuita e com curadoria e mediação de Elvis Pinheiro, exibe no próximo dia 30, sábado, às 17:30 horas, o filme KRAMER VERSUS KRAMER (Kramer vs Kramer, EUA, 1979, 105min). Direção de Robert Benton. Sinopse: Ted Kramer (Dustin Hoffman) é um profissional para quem o trabalho vem antes da família. Joanna (Meryl Streep), sua mulher, não pode mais suportar esta situação e sai de casa, deixando Billy (Justin Henry), o filho do casal. Quando Ted consegue finalmente ajustar seu trabalho às novas responsabilidades, Joanna reaparece exigindo a guarda da criança. Ted não aceita e os dois vão para o tribunal lutar pela custódia do garoto.
ROCK CORDEL
Foi encerrado neste fim de semana mais uma edição do festival Rock Cordel, promoção do Centro Cultural BNB. Foi a nona edição do evento, “dinamizando a arte e a cultura no Sertão cearense, com esta programação que tem realizado inúmeras ações que reafirmam seu compromisso com o desenvolvimento da nossa região através da democratização do acesso aos bens culturais e da formação de plateia. No mês de julho, alinhados com diversas outras manifestações pelo mundo, o CCBNB celebrou o dia do gênero musical que tem tido sua história, desde seu nascimento, conectada com períodos de inúmeras transformações sociais, políticas e culturais em nosso planeta, o Rock, e que tem se recriado constantemente.” Participaram diversos grupos nordestinos de Rock, dentre os quais: Cômodo Marfim (CE), Projeto Rivera (CE), Semivelhos (BA), La Gambiaja (PB), Karne Krua (SE), Nuverse (JN-CE), Plástico Lunas (SE), VAP (JN-CE), e o Sanitário Sexy e Dudé Casado (BA, P, JN-CE). Parabéns ao CCBNB por este grande tento.
DE TABULEIRO A JUAZEIRO
Foi lançado no dia da celebração do aniversário do município de Juazeiro do Norte este livro que faz uma breve retrospectiva da vida e da história do Juazeiro, centrando na figura do Patriarca Pe. Cícero, enxergando-o como homem, padre, e líder. Ele aborda também alguns novos aspectos como a reaproximação da Igreja com o Padre Cícero e analisa o papel do romeiro na contemporaneidade. Um ótimo trabalho lançado festivamente no Círculo Operário de Juazeiro do Norte, com grande presença. O livro foi prefaciado por Daniel Walker.



CONVERSA COM O ROMEIRO
A Comissão Diocesana de Pastoral de Romaria da Diocese de Crato, bem como a Regional Nordeste II da CNBB fez imprimir e está fazendo veicular em todo o pais o belo trabalho da Ir. Annette Dumoulin, “Uma boa conversa entre o romeiro Sebastião e o Padre Cícero”. O esforço de sua autora se prende à melhor divulgação da correspondência vinda do Vaticano com respeito à palavra da Santa Sé Romana com respeito à reconciliação histórica da Igreja com o Pe. Cícero. De forma didática a conversa se demora a explicar, minuciosa e detalhadamente o texto para melhor compreensão do povo nordestino, especialmente do romeiro do padre Cícero. Muito louvável esse trabalho da Ir. Annette, com o intuito de dirimir todas as dúvidas surgidas na interpretação dos termos que vieram na correspondência papal, assinada pelo secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Pietro Parolim.
VIDAS EM ROMARIA

Mais um livro importantíssimo, sobre o fenômeno das romarias de Juazeiro do Norte foi lançado no dia 21, no CCBNB. Trata-se de Vidas em Romaria, organizado ppor Ercília Maria Braga de Olinda (UFC) e Adriana Maria Simião da Silva (URCA). O livro é uma grande coletânea de trabalhos, oriundos de pesquisas acadêmicas realizadas por vinte e um autores de dezessete instituições brasileiras. O evento aconteceu durante o programa Conversas Filosóficas, projeto realizado pelo Centro Cultural Banco do Nordeste do Cariri em parceria com a Pró-Reitoria de Cultura da Universidade Federal do Cariri (UFCA). O trabalho teve a coordenação do Departamento de Teoria e Prática do Ensino da Faculdade de Educação da UFC, que desenvolve projetos de ensino, pesquisa e extensão nos campos da Educação Popular, Educação em Direitos Humanos, Juventude, Espiritualidade, Religião e Formação de Professores. A obra é fruto do grupo de pesquisa Dialogicidade, Formação Humana e Narrativas, que realiza investigações qualitativas, utilizando as seguintes abordagens metodológicas: pesquisa (auto)biográfica, pesquisa-ação e etnografia.